15/05/08

O humor dos "Contemporâneos"

Fazendo um zapping um domingo destes, dei de caras com a nova aposta humorística da RTP: Os Contemporâneos. Já o primeiro sketch, com o insuportável e insípido Bruno Nogueira, quase me fez mudar o canal mas a piada sobre a menina Madeleine era tão boa que resolvi dar uma chance. Mais do mesmo, como eu já esperava. E o programa até tinha outras piadas boas, como o concurso para avaliação dos Professores, o elevador com excesso de peso... Mas depois - e aqui é aquela parte chata que era inevitável - tudo o que não é genuíno acaba por deixar cair a máscara uma hora ou outra e não há mais nada que o salve do fiasco. Quero dizer, há muitas idéias interessantes por detrás daquilo tudo. Bons actores a dar a cara (Maria Rueff tem talento nato para comédia, Nuno Lopes irreconhecível) etc e tal, mas tem alguma coisa (ou muitas) que no balanço final, não funciona. Não tenho a solução, caso algum indignado me pergunte, mas este é o tipo de humor que se eu quiser ver, basta ligar minha tv em qualquer hora do dia. Com tantos nomes "quentes" nos créditos, era de se esperar algo melhor. É tão cansativo ver aquela tentativa forçosa em fazer humor subversivo (que se resvala para o politicamente correcto alguns minutos depois) passivamente no meu sofá. Aquelas mesmas piadas sobre o PSD, sobre o Benfica, sobre o tema do dia qualquer (e que é matéria-prima nas mãos dos humoristas que estão poraí) já não interessam a mais ninguém. O Herman faz isso, os Gato fedorento, o Inimigo Público, os tipos do Levanta-te e Ri... esqueci de alguém? As vezes fico confuso, é o mercado que está monopolizado? É humor para português ver? O que é certo é que fazer humor sobre nada é mesmo coisa para poucos e eu pagaria para ver. Até lá, vamos nos contentando com estas bobagens.

Ah, já ia me esquecendo, alguém precisa avisar o Nuno Markl que ele a rebolar suas formas arredondadas às câmeras não foi uma idéia lá muito feliz. Se fosse no Brasil, não diriam que ele "pagou um mico" e sim um gorila.

3 comentários:

António Pita disse...

Não concordo muito com isto. Não tive oportunidade de ver na televisão, mas já vi na net e gostei bastante. É bem diferente do Gato Fedorento, e é um diferente bom. E não acho o Bruno Nogueira nada insipido nem insuportável! Aliás, era grande seguidor dos Incorrigiveis, muito por culpa dele. Mas bom, opiniões são opiniões e espero que vejas mais vezes para ver se gostas.

P.S.- não sei se percebi bem aquele comentário de "humor para português ver", mas era fã de uma enorme série brasileira - Sai de Baixo (vénia) - e, sinceramente, pouco mais no humor brasileiro me chama a atenção. Alguma coisa que me indiques?

Wellington Almeida disse...

Olá, António.
Obrigado pelo comentário.

O que eu quis dizer foi, será que é preciso ser-se português para gostar dos Contemporâneos? Uma vez falei dos Gato Fedorento no outro blogue e alguém deixou um comentário dizendo mesmo isto, que "era preciso ser português para entender" começo a acreditar que sim hehe..Mas nunca foi comparar o humor daqui com o de lá (se bem percebi pelo teu "PS")aliás, já disse isso tantas vezes por aqui, que ta quase a virar meu cartão-postal.

Qto aos brasileiros, não era lá fã do Sai de Baixo, e acho que o melhor do humor brasileiro foi mesmo com o revolucionário TV PIRATA nos finais dos anos 80 (há muita coisa no YouTube) há também um tipo que escreve alguns dos mais interessantes guiões de humor para a Globo que se chama Alexandre Machado, é dele os recomendáveis "Os Normais" "Os Aspones" (inspirado no The Office)e o mais recente "O Sistema" que está disponível na íntegra (seis episódios)no YouTube tbm. De resto, há sempre os marginais, como os TERÇA INSANA, e outros poucos que não têm espaço nas mídias televisivas.

Eu conheço muito pouco da táo propagada fase revolucionária do Herman no passado (tudo o que conheço é da internet)e gostava muito de uns cómicos que faziam sketchs para um programa da DOIS (A Revolução dos Pastéis de Nata?)e o resto que toda gente conhece, se souberes de alguma coisa genial, avisa tbm ;)

Abraço.

odete almerinda disse...

humm ...tambem estava à espera de melhor d'Os Contemporâneos, confesso!
Mas ha que dize-lo com frontalidade: a piada da madelaine foi boa e a do Buraka Obama roçou a genialidade do "pai natal vs. menino jesus".
O segundo programa foi mais fraquito ainda. aquela piada da betoneira seria muito boa se não a tivessem usado ate a exaustão.
agora toma lá:
http://www.youtube.com/watch?v=jPvjk8zlcrk&eurl=http://imezzo.wordpress.com/
este veio do brasil e fez-me rir pra caracas (sem ofensa pro nosso primeiro que fumou no avião).
;)